Páginas


Luisão - Vinte Títulos! (and counting...)

Se todas as batalhas da

"SE TODAS AS BATALHAS DA HUMANIDADE SE TRAVASSEM APENAS NOS CAMPOS DE FUTEBOL, QUÃO BELAS SERIAM AS GUERRAS!" (Augusto Branco)

sábado, 25 de novembro de 2017

4-4-2 vs 4-3-3 (Jonas vs Krovinovic?)













Pela primeira vez em muitos anos no nosso Benfica este tema está em cima da mesa: qual será o melhor sistema táctico para esta época? O habitual e muito vencedor 4-1-3-2 ou o recentemente utilizado 4-3-3? 

Sendo um tópico muito interessante, não é este o principal quando se aborda o futebol praticado por uma equipa. Aliás, os treinadores não se cansam de repeti-lo, "mais importante que o sistema é o modelo de jogo." Ou seja, a definição do comportamento da equipa nos diversos momentos do jogo (organização defensiva, organização ofensiva, transição defesa/ataque, transição ataque/defesa e também as bolas paradas) sobrepõe-se à questão do sistema táctico a utilizar. Assim, é mais importante definir, entre outras coisas, se uma equipa constrói preferencialmente os seus ataques a partir de trás ou se joga directo na frente em busca da segunda bola. Se faz pressão alta e procura recuperar a bola no terço ofensivo ou se pratica a "andebolização" do futebol, recuando as suas linhas até ao terço defensivo. Estes e outros aspectos são mais determinantes na forma de jogar das equipas do que propriamente o sistema. De resto, diferentes sistemas podem ser utilizados num pré-determinado modelo de jogo.

Mas a questão premente agora é mesmo o sistema. Pelo menos desde 2009/2010 (o Quique jogava num 4-2-4 muito manhoso) que nos habituámos a jogar e ganhar com dois avançados-centro e dois médios-centro. Ganhámos cinco dos oito campeonatos a jogar assim. Os pontos acumulados na Europa permitiram-nos marcar presença regular no top 10 do ranking da UEFA, em duas finais da Liga Europa, uma meia-final (ninguém se lembra desta!) e em dois quartos-de final da Liga dos Campeões. 

Existe a ideia, creio que maioritariamente aceite, que o 4-4-2 nos torna mais fortes ofensivamente, pela presença de dois homens na área, mas porventura mais débeis defensivamente, pois os dois médios debatem-se na maior parte das vezes com três adversários na zona central. Mas não tem de ser necessariamente assim, tudo depende das dinâmicas e da entre-ajuda de todos os elementos.



O sistema ideal para o Jonas.



Relativamente ao 4-3-3, é comum ouvirmos que garante mais equilíbrio defensivo, mas torna-se mais fácil de anular ofensivamente. E no entanto, lá está, não tem de ser necessariamente assim, tudo depende das dinâmicas e da entre-ajuda de todos os elementos.


O sistema ideal para o Krovi?


Depois, há a questão dos treinadores, que se dividem em duas doutrinas. Eu diria, o "treinador do sistema" e o "treinador dos jogadores". O primeiro molda, adapta, força, compra os jogadores para encaixar no SEU sistema. O segundo parte das características dos melhores jogadores para escolher o melhor sistema. E há os híbridos, claro. Por exemplo, facilmente identifico uma equipa a jogar à Guardiola, mas tenho mais dificuldade em identificar uma equipa a jogar à Mourinho (a não ser pelo pragmatismo). E o nosso mister? Terá ele uma ideia fixa sobre o sistema a utilizar? Creio que não. Creio que será mais treinador para adaptar o sistema aos melhores jogadores.




É aqui que entra o busílis da questão! E agora não me resta outra solução senão partir de alguns postulados. Aceitemos que o Jonas (já provado) e o Krovinovic (ainda por provar, mas tenho forte convicção) são os melhores jogadores do nosso plantel. Aceitemos também que o sistema que mais favorece o Jonas, ou seja, que nos permite tirar mais rendimento das suas qualidades, é o nosso tradicional 4-1-3-2, jogando o Pistolas atrás do 9. Então precisamos que o Krovi consiga ser o 8 num meio-campo a dois. Terá ele essa capacidade? É que é muito diferente do que ser um de três.

Ideal para o Jonas, nem tanto para o Krovi?


Por outro lado, se quisermos construir a equipa a partir do Krovi, dando-lhe o conforto necessário para ele fazer aquilo que faz melhor, i.e., ligar todas as peças do xadrez (vide segundo golo com o Vit.Setúbal desde o início da jogada, em que ele troca a bola com sete colegas antes de finalizar), construir sem ter uma tremenda preocupação em defender, e ainda aparecer em zonas de finalização, então o sistema mais indicado será com três médios. O que implica deixarmos o Jonas "sozinho" na frente, com enorme desgaste e uma área imensa para percorrer. Sim, pode funcionar, mas acho que só em jogos em que tivermos muita posse de bola e passarmos muito tempo no meio-campo adversário.

Ideal para o Krovi, difícil para o Jonas


#Bom-senso mode off (saravá Bragatti!) 
Dá vontade de jogar com 12, não é? Podíamos aproveitar agora, que o clima é de paz e concórdia, para colocar essa petição à Liga.
#Bom-senso mode on

Há uma solução aritmética que permite jogar com estes dois craques na sua praia, o 3-5-2. Mas os custos de adaptação de toda a equipa a esse sistema parecem-me incomportáveis no contexto actual.

Resumindo e baralhando, temos aqui um belo dilema para apreciar e discutir. Ou então, diferentes soluções para diferentes problemas!

9 comentários:

  1. Acho que só treinadores como Guardiola e Mourinho podem se dar ao luxo de contratar quem quiserem para o seu sistema. O Guardiola acaba de renovar quase por completo o Manchester City. Se não me engano apenas Fernandinho, Aguero, Kompany e Yayá (estes dois últimos nem são titulares) já estavam no clube quando ele chegou. No caso do Rui Vitória, ele tem mesmo de escolher o sistema pelos jogadores que encontrou no plantel (Jonas, Pizzi, Salvio, Fejsa...). E a meu ver o problema todo neste ano é o Pizzi que ainda não voltou das férias. Já imaginaste se tivéssemos o nosso melhor Pizzi para jogar junto com o Krovinovic? Seria um meio campo muito criativo e dava para variar o 4-4-2 com o 4-3-3, pois o Pizzi podia fazer também de extremo. Sem Pizzi, talvez a tua ideia de jogar com 12... kkkkkk! Que sistema escolher? O que favoreça o Jonas ou o Krovinovic? Acho melhor um que favoreça o Jonas porque ele é o craque da equipa e o único que marca golos. Já agora, qual o melhor avançado para jogar ao lado do Jonas? O Jiménez ou o Seferovic?

    ResponderEliminar
  2. Idealmente teremos ambos os sistemas bem trabalhados e poderemos utilizar um ou outro conforme o plano de jogo e o adversário. Por ex com o Setúbal jogaria com Fejsa e Krovi no meio, Jonas e Seferovic na frente.

    ResponderEliminar
  3. Que assim seja! E que venha uma vitória contra o Setúbal para ficarmos só a 3 pontos do Porto. Depois então pensaremos no melhor esquema para ganhar lá no Dragão.
    Saudações Benfiquistas!

    ResponderEliminar
  4. Uma vez que nao possuimos avançados fixos como Oscar Cardozo, que tal um falso 4-4-2 que se desdobrava em 4-3-3 com um avançado mais inclinado para uma das alas.

    A.Almeida__Luisao_Jardel__Grimaldo

    _____________Fejsa
    __________________Pizzi
    _________Krovinovic
    Salvio________________Jimenez
    ______________Jonas

    Jimenez inclinado numa ala onde flectia para o centro de ataque assim que Jonas recuasse no campo para procurar bola e criar espaço para o mexicano. Pizzi descaia pra a ala dando apoio, equilibro e compensar o lado esquerdo com Grimaldo a ser ala puro.
    Krovinovic a tabelar com Jonas Salvio Pizzi e Jimenez...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também acho que pode ser uma boa opção, Jorge. Uma espécie de sistema híbrido jogando com a polivalência do Pizzi e de um avançado, neste caso o Raúl. Até já fizemos isso esta época, com o Braga na Taça da Liga (1-1). Nesse jogo foi o Gabriel que jogou pela direita como falso extremo e o Raúl a 9. Acho que também o Seferovic pode fazer esse papel partindo de uma ala para o centro.

      A vantagem é que dificulta a marcação adversária, criando a dúvida entre o lateral e o central. A dúvida/desvantagem é até que ponto esse falso extremo/falso avançado terá disponibilidade ou cultura táctica para defender, acompanhando o lateral contrário nas suas subidas.

      Bem trabalhado, a forma como conseguiste apresentar o esquema recorrendo aos traços underscore! :)

      Eliminar
    2. Obrigado ;) pois foi a unica maneira que conseguia expor a minha ideia tactica de posicionamento usando os underscore.

      Pois realmente o Jimenez teria de fazer a primeira pressao sobre o lateral contrario e Pizzi logo a tras como segundo obstáculo para evitar a progressão do lateral bem como evitar alguma combinação entre este com outro colega.

      A.Almeida__Luisao_Jardel__Grimaldo

      _____________Fejsa

      _________Krovinovic_____Pizzi
      Salvio
      ___________________Jimenez
      ___________Jonas

      Eliminar
    3. Acho que a defender o Jiménez não teria dificuldade. Ele é daqueles jogadores que deixa a pele em campo. E talvez fosse mesmo esse o lugar dele, descaído para o lado esquerdo, porque mesmo quando é ponta-de-lança ele até exagera um pouco saído da área.
      A meu ver, quem se encaixaria como uma luva nesse esquema de falso 4-4-2 que vira 4-3-3 seria o Gabriel "Gabigol", pois ele tem uma vantagem que é a facilidade para fazer golos. Mas este, parece que já foi. Não se adaptou ou sei lá o que aconteceu. Eu também acredito que o Diogo Gonçalves pode fazer muito bem esse papel no futuro, pois ele ainda está naquela fase de crescimento, como aconteceu com o Gonçalo Guedes também.

      Eliminar
  5. Em relação ao Raúl, energia não lhe falta. A questão é "lembrar-se" que tinha de acompanhar o lateral contrário quando este subisse até à nossa área. Ou então, só teria de o acompanhar até certa altura e depois passava a ser responsabilidade do médio interior esquerdo, neste caso o Pizzi, como sugere o Jorge no comentário acima. Mas estas compensações teriam de estar muito bem trabalhadas.

    Pois o Gabriel já é carta fora do baralho. O Diogo e também o Rafa, sendo destros, podem muito bem fazer isso.

    ResponderEliminar
  6. Sim. E também acredito que o Rafa ainda não é carta fora do baralho.

    ResponderEliminar

Partilha aqui a tua opinião