Páginas


Luisão - Vinte Títulos! (and counting...)

Se todas as batalhas da

"SE TODAS AS BATALHAS DA HUMANIDADE SE TRAVASSEM APENAS NOS CAMPOS DE FUTEBOL, QUÃO BELAS SERIAM AS GUERRAS!" (Augusto Branco)

domingo, 30 de outubro de 2016

BELA JORNADA (II)

via: supersporting.net



Belas jornadas estas em que ganhamos pontos em três campos!

Sabia que ia repetir este título (20/09/2016) ao longo da época, mas não contava que fosse já! O nosso foco, o nosso interesse, a paixão que nos move é o sucesso do Benfica. Mas sabemos que não corremos sozinhos pelo objectivo de conquistar este campeonato. Importa por isso, de vez em quando, analisarmos a situação dos nossos adversários directos e perspectivarmos um possível futuro próximo. Este parece-me um excelente momento para o fazermos!

O Sporting, com três empates consecutivos no campeonato, está em fase de pré-guerra civil. Seguir-se-á um período de guerra civil. Mais um a juntar aos inúmeros dos últimos trinta anos.  

Futebolisticamente, continuo a considerar Jorge Jesus um treinador genial. Como é comum nos génios tem os seus desequilíbrios e o seu maior talvez seja precisamente aquilo de que se queixa na foto acima. Para além disso, tem dificuldade em adaptar-se às circunstâncias e procura sempre impor a sua ideia, mesmo que não tenha meios para tal.
É inconcebível que o nível de jogo de um candidato ao título caia para níveis tão desinteressantes devido à ausência de um único jogador, como acontece no Sporting sem Adrien. Isto demonstra a incapacidade do clube na construção do plantel para 2016/2017 e a incapacidade do Jesus usar limões para fazer limonadas.

Em termos anímico-sociais, julgo chegado o momento do presidente e seus inácios colherem as tempestades produzidas pelos ventos que têm semeado, sobretudo nos últimos dois anos. A estratégia do vai-ou-racha é assim: não foi, rachou! A contestação interna subirá de tom e acentuará divisões até agora silenciadas pela expectativa de vitórias. E teremos nova guerra civil no Sporting.
Isto é o que eu preconizo e, sinceramente, o que desejo que aconteça. 


O Porto continua à procura de si próprio, a vários níveis.
Tem qualidade no plantel, embora com desequilíbrios e lacunas graves. Tem um treinador cujo trabalho no Rio Ave me agradou, mas que procura ainda a sua afirmação na alta roda. 

O Nuno Espírito Santo encontrou a fórmula certa no ataque com uma bela dupla de talentosos jovens portugueses. Falta-lhe encontrar a melhor forma da equipa os servir.

Dispõe de cinco ou seis médios-centro de qualidade que, teoricamente, deveriam ocupar apenas duas posições, pois a ideia é jogar em 4-4-2. No entanto, devido à falta de extremos de qualidade no plantel, NES opta por deslocar dois dos seus melhores médios para as alas, Otávio e Oliver. 

A tendência é que o jogo se torne demasiado previsível e afunilado, deixando as faixas apenas para os defesas laterais que, sozinhos, se tornam presas fáceis. A tentação de recorrer ao jogo directo é uma prova da falta de criatividade, velocidade e entrosamento do jogo do Porto.

Na defesa não há um central de elevada qualidade, o que necessariamente terá custos elevados na segurança defensiva. 

Julgo que o percurso do Porto terá altos e baixos ao longo desta temporada, como é comum numa equipa/clube que procura reencontrar-se. A ver vamos se haverá paciência para manter o treinador ou se decidirão começar do zero. Outra vez.

Quanto a nós, meus caros, só temos que continuar a fazer o que já aprendemos há algum tempo: Foco total no próximo jogo. Sempre!

Saudações Benfiquistas!







sábado, 29 de outubro de 2016

BENFICA EM GRANDE

O gesto do Guedes no primeiro do Benfica 3-Paços de Ferreira 0...faz-vos lembrar alguém?

Numa semana tão importante para a vida do nosso Clube era fundamental fechar com uma vitória em casa, frente a um interessante Paços de Ferreira. E assim foi - vitória clara por três golos sem resposta.

Um - Zero. Para ganhar o jogo e somar três pontos.
Dois - Zero. Para assinalar a renovação de contrato com o Presidente Luís Filipe Vieira.
Três - Zero. Para celebrar o 13º aniversário do novo Estádio da Luz. 

Novamente perante mais de cinquenta mil almas benfiquistas, a nossa equipa voltou a demonstrar o bom momento que atravessa e promete continuar. A entrada não foi brilhante e permitimos que o Paços apresentasse os seus argumentos, ainda que sem criar perigo real.

Aos dez minutos pegámos no jogo e fomos absolutamente avassaladores até ao intervalo. Apresentámos uma excelente circulação de bola em largura e com profundidade. Elaborámos belas combinações de ataque envolvendo três ou quatro jogadores, explorando as duas faixas e o corredor central. 

Sob a batuta do maestro Pizzi, os solistas Guedes, Salvio e Cervi exibiam os seus dotes artísticos apoiados num inteligente Mitroglou que ontem mostrou que também sabe ser um pivot de ataque na posição Nove.

O primeiro golo, aos 26 min., surge na sequência duma criativa combinação ofensiva em que Mitroglou recebe de Fejsa e descobre o Cervi à sua frente, no corredor central. O argentino toca de primeira com o pé direito para o Gonçalo Guedes que tinha espaço na meia direita. Sem meias medidas, o novo Princípe da Luz rebenta uma bomba que explode no canto superior esquerdo da baliza. O keeper do Paços não Defendi. Nem podia! Golão!




Ao intervalo, o resultado era escasso perante tal caudal ofensivo com momentos de futebol arrebatador. 

Na segunda parte voltámos a não entrar muito bem, mas também não levámos muito tempo a retomar o domínio absoluto. Aos 64 min., Fejsa recupera a bola, Eliseu ganha a profundidade e cruza mortalmente para Salvio, com a cumplicidade de Mitroglou, atirar a contar. De primeira e na passada. Golão!





Faltava um golito para arredondar as contas e fazer jus ao aniversário da Luz. Aos 87 min., o Pizzi, já farto de distribuir mel pelos colegas, resolve ir por ali adentro, combina com o Raúl, arma-se em Messi e faz um slalom entre três ou quatro adversários antes de selar os três pontos. Golão!






Tempo ainda para uma referência aos elementos mais recuados:

Ederson - Teve pouco trabalho. Uma saída que podia ter corrido mal. Ia fazendo uma assistência para o Mitroglou num pontapé-de-baliza. Renovo a minha aposta que ainda o veremos assistir um colega.

Nelson Semedo - Está em grande forma e cada vez mais competente a defender. Ajuda muito ter o Capitão ao lado, né puto? E sempre que ataca ganhamos mais um extremo rapidíssimo e criativo.

Lindelof - Fez ontem o seu melhor jogo desta época, impondo a sua lei em todos os confrontos e boas decisões nas saídas. Parece mais adaptado à posição de central esquerdo. Ajuda muito ter o Capitão ao lado, né puto? 

Luisão - Nos seus sete jogos a titular sofremos um golo. E foi de penalti, oferecido pelo Celis ao 1º de Dezembro.

Eliseu - Fechou bem o seu corredor, fez bons cruzamentos, tensos, como é seu timbre e uma assistência.

Fejsa - Já se torna repetitivo elogiar os desempenhos deste monstro. Que tenha muita saúde e que os tubarões não percebam que é um dos melhores médios defensivos do mundo.

E pronto, agora é descansar bem para 3ª feira ganharmos ao Dinamo de Kiev. Depois logo pensamos no Dragão.

P.S. Não resito... A nossa vizinhança da Segunda Circular não tem que se preocupar com os resultados, nem com o pobre futebol apresentado, nem com o plantel desequilibrado. Importante sim é preocuparem-se em impedir que o rapaz estacione o carro vermelho em Alcochete. 



segunda-feira, 24 de outubro de 2016

SOMA E SEGUE!

Belenenses 0 - Benfica 2


Mais três pontos e mais um passo importante na evolução do Benfica 2016/2017!

Assistimos ontem a uma das melhores exibições do Benfica dos últimos tempos! Só marcámos dois mas podiam ter sido mais três ou quatro, tal a qualidade do jogo apresentado e a quantidade de situações claras de golo de que dispusemos.
Tão importante como isso, foi o pouco perigo que permitimos o adversário criar: dois remates com duas boas defesas do Ederson.

O jogo de ontem mostrou um Benfica absolutamente dominador, fortemente apostado em marcar vários golos, com um ritmo e variedade de jogo admiráveis. 

Pela direita o Nelson "Flecha" Semedo e o Toto "arma de destruição maciça" Salvio rebentaram com meia equipa do Belém. Pela esquerda, os pequenos diabólicos esquerdinos Cervi e Grimaldo rebentaram com a outra metade. 

Sempre apoiados na plataforma giratória que o Pizzi sabe ser quando joga no meio e respaldados no monstro Lubomir "ladrão de bolas" Fejsa. 

Na frente, um irrequieto e cada vez mais influente Gonçalo Guedes ia abrindo espaços e contribuindo para a diversidade dos nossos movimentos ofensivos. Lá atrás, a defesa comandada pelo Capitão não deu abébias. 






Benfica! Até debaixo de água! Imunes ao vírus da gripe e ao da Champions.


























Ontem batemos um recorde tão velho como eu: 16 vitórias consecutivas em jogos fora para o Campeonato. Seria maravilhoso conseguirmos esticar este recorde na próxima deslocação, ao Dragão. Mas antes disso, é fundamental não baixar o nível frente ao Paços de Ferreira, sexta-feira na Luz.

Estamos à frente, a jogar cada vez melhor e temos noção que vamos continuar a melhorar. E até salivamos só de imaginar o futebol que jogaremos com Rafa e Jonas disponíveis!


P.S. Começo a ficar preocupado com o treinador Jesus. Parece-me triste, desanimado. Frente ao Tondela, o tondele desvaneceu-se...

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

PERSONALIDADE, ATITUDE E... ESTRELINHA!



A vitória de ontem do Benfica em Kiev é muito animadora em vários aspectos. Desde logo, pelos três pontos somados que nos mantêm com todas as possibilidades de passar aos oitavos-de-final. (Foi uma pena o resultado de Nápoles). Depois, pelo chorudo prémio monetário. Também pelo prestígio internacional sempre associado a uma vitória num campo difícil. E ainda, porque é mais um passo importante na afirmação desta equipa e de vários jovens jogadores.

O onze inicial não apresentou surpresas, o que só por si é uma demonstração da confiança do treinador no modelo de jogo habitualmente praticado. A forma como o Benfica procurou sempre ter bola e jogar no meio campo adversário reforça esta confiança do mister e a crença dos jogadores naquilo a que se chama a "identidade da equipa". 

Devo confessar que ao longo do jogo achei que seria preferível juntar as linhas mais atrás e explorar o contra-ataque. Sobretudo quando se constatava que o adversário criava perigo em jogadas de contra-golpe e éramos apanhados com vários jogadores nossos para lá da linha da bola. Seria frustrante deixar fugir a vantagem num jogo de Champions, ainda por cima fora. Felizmente não sofremos golos apesar de termos concedido demasiadas oportunidades flagrantes. Tivemos personalidade, atitude e...estrelinha!

Algumas apreciações individuais, começando de trás para a frente:

Ederson - Quatro intervenções de grande nível a negar outros tantos golos aos ucranianos. Uma saída em falso que não deu golo porque...tivemos estrelinha.

Luisão - Ficamos tão mais fortes com o Capitão em campo! Foram manifestamente exageradas as notícias da sua morte desportiva.

Lindelof - Esta época ainda não tivemos o centralão intransponível que o sueco é. Será por estar a jogar na esquerda? Será que não está na sua melhor forma física/mental?

Grimaldo - Até me apetece pedir-lhe para ele jogar menos, a ver se não o levam já em Janeiro. Saiu-lhe a fava (leia-se Yarmolenko) e deu conta do recado, contou com a ajuda preciosa do Cervi para defender e ainda teve tempo de fazer dois ou três brilharetes na frente.

Fejsa - Monstruoso com tem sido sempre.

Pizzi - Importantíssimo a organizar, a marcar os ritmos de jogo, sempre a aparecer onde a equipa precisava dele. É delicioso o passe para o Salvio no golo do Cervi!

Cervi - O "boneco diabólico" parece gostar dos jogos grandes. Para além do golo e de várias investidas pelo meio campo adversário, fez ontem um jogo de enorme entrega e sacrifício com grande relevo no plano defensivo. A dupla Cervi-Grimaldo carbura cada vez melhor.

Guedes - Está em grande forma o Gonças! Tem sabido aproveitar muito bem o espaço que lhe foi dado (pelas lesões dos colegas de ataque), está confiante e é cada vez mais influente. Ainda tem muito para melhorar na tomada de decisão, mas os dezanove anitos dão-lhe tempo para isso.

Em suma, uma bela vitória num grupo completamente em aberto para os três primeiros. De tal forma, que tive dificuldade em "escolher" o resultado para o Besiktas - Nápoles. Após alguma reflexão, opto pela vitória dos turcos, valorizando o facto de ainda recebermos os italianos e irmos a Istambul. Obviamente, é obrigatório vencer o Dinamo na Luz.

Mas antes disso - e muito mais importante! - é vencermos no Restelo, domingo à noite. Já tenho bilhete e lá estarei para fazer a minha parte.

VIVA! VIVÓ BENFICA!!



domingo, 2 de outubro de 2016

BOM DESCANSO!




Decorrido o primeiro quinto do Campeonato encontramos o Tricampeão em primeiro lugar com três pontos de vantagem. Um quinto do campeonato não é nada e três pontos também não. 

Quer dizer, é um bocadinho mais que nada. 


Saudades do Capitão

Gostei tanto de rever o nosso Capitão em campo! Ficámos muito mais fortes no jogo aéreo, e não apenas nas bolas paradas. Mais autoritários e dominadores, voltámos a não sofrer golos. A influência de Luisão é enorme. Sem Jardel, Luisão deve ser titular.


O jogo

Na primeira parte tivemos muita posse de bola e circulação. Apresentámos muita qualidade no ataque posicional, com múltiplos apoios para o portador da bola. E soluções em jogo vertical, com desmarcações do Gonçalo Guedes, poucas vezes aproveitadas. 

Ao intervalo, queixava-me da falta de velocidade do nosso jogo. "Com passes mais tensos e mais acelerações, já teríamos feito mais golos!Depois percebi que essa parte foi importante para desgastar o adversário, física e animicamente. Na segunda parte os golos do Benfica foram surgindo naturalmente. Os jogadores da Feira pouco incomodaram. O Fejsa e o Capitão não deixaram. 


Ideias soltas

Gostava muito que o Grimaldo ficasse connosco até ao fim da época.

Quando fizemos o 3-0 fiquei preocupado.

É muito animador pensar nas contratações que faremos em Outubro.

Repararam no pormenor do Capitão se juntar à barreira, no quarto golo?



Futuro Próximo

Daqui a uma semana vamos a São Paulo jogar com o Santos. Centenário da Vila Belmiro e homenagem ao Léo, ídolo da casa e belíssimo lateral-esquerdo no Benfica de 2005 a 2009. 

Daqui a quinze dias vamos a Sintra jogar com o 1º de Dezembro para a Taça de Portugal.

E depois a Kiev na Liga dos Campeões.

Só daqui a três semanas regressa o Campeonato. Lá estarei, no  Restelo, para ajudar a equipa a vencer e estabelecer o record de 16 vitórias fora.

Entretanto, talvez contratemos alguns craques. Fala-se em Jonas, em Rafa e em Rául. Fala-se em Jardel, Samaris e Danilo.

Desejo-vos um bom descanso. Numa almofadinha de três pontos.