Páginas


Luisão - Vinte Títulos! (and counting...)

Se todas as batalhas da

"SE TODAS AS BATALHAS DA HUMANIDADE SE TRAVASSEM APENAS NOS CAMPOS DE FUTEBOL, QUÃO BELAS SERIAM AS GUERRAS!" (Augusto Branco)

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

BACK ON TRACK!





Que é como quem diz, voltámos a entrar nos eixos! A exibição do Tetracampeão frente ao Rio Ave correu na linha do que vínhamos fazendo antes da lesão do Krovi. Agora, só temos que não descarrilar. Se conseguirmos manter este futebol de alto quilate até ao fim, não tenho dúvidas que chegaremos novamente em primeiro. 

Primeira parte assim-assim. Segunda parte soberba.
Não acho que a nossa primeira parte tenha sido horrível. Até entrámos bem, com muita dinâmica e com chegadas à área. No primeiro ataque do Rio Ave sofremos o golo, na sequência de um canto. Bom aproveitamento da subida da nossa defesa (onde é que tu ias, ó Pizzi?!) pelo talentoso Chico Geraldes e cabeceamento do Guedes nas costas do Rúben Dias. Talvez o Varela também pudesse ter feito melhor. Pouco depois, íamos sofrendo o segundo num forte remate de longe do João Novais (também é bom jogador), que bateu com estrondo no poste. E pronto, pouco mais perigo criou o Rio Ave em todo o jogo. Depois disto e até ao intervalo, tivemos fases em que conseguimos ligar bem o jogo, alternadas com outras em que as coisas não saíam bem. Terminámos a primeira parte a carregar forte, essencialmente pela esquerda, e a cheirar o golo. Ao intervalo não estava excessivamente preocupado, confiei na baliza grande. O resultado não espelhava o futebol produzido por ambas as equipas. Se conseguíssemos entrar bem na segunda parte e marcar cedo...

Mais Pizzi, mais Benfica
O melhor Pizzi ilumina o futebol do Benfica. Sábado pudemos constatá-lo mais uma vez, na medida em que a exibição colectiva foi melhorando a par do seu desempenho, em crescendo. Fica aí, Pizzi, no teu melhor! 



Zivkovic rima com Krovinovic
Aparentemente, o Zivko terá ganho o lugar de interior esquerdo. Está bem assim, é uma espécie de reunificação assíncrona da Jugoslávia - depois do croata, o sérvio. Na próxima época, poderemos fazer a reunificação simultânea com ZivKrovi no miolo. Comparativamente com o João Carvalho, o Zivkovic é um jogador mais esclarecido nos diversos momentos do jogo. É mais agressivo na luta pela bola, tem uma gama de recursos mais vasta e decide melhor. Não fez uma exibição perfeita, mas deixou boas indicações para o futuro imediato. Fez desarmes, apareceu com propósito no início de construção, fez passes decisivos no último terço e também foi influente nas acções individuais em progressão com bola. Agora, é mostrar consistência e teremos este problema resolvido.

"Ah e tal, não tiramos partido das bolas paradas"
Ouvimos frequentemente esta crítica, que não temos quem marque um canto ou um livre em condições. Pois não, Sábado foram só três. Parece que esta época já temos dezassete golos marcados na sequência de cantos e livres. Até ver.

Centrais goleadores
Com a sequência de jogos a titular, voltámos a ter o melhor Jardel a que temos direito. O Guerreiro da Luz impõe a sua lei a defender e é uma arma temível na bola parada ofensiva. Sábado contribuiu com um golo e uma assistência, numa bela comemoração do seu ducentésimo jogo de águia ao peito. O Rúben podia ter feito melhor no golo sofrido, dá ideia de estar um pouco adiantado, mas mais do que compensou com o golo marcado (o seu segundo na época) e vários cortes decisivos.





Fejsa, o Monstro
Quem acompanha a série The Walking Dead já se deve ter apercebido das semelhanças entre o nosso monstro sérvio e o besteiro Daryl. Carrancudos e ameaçadores, ambos despacham sem pestanejar os inúmeros adversários que lhes aparecem pela frente, mesmo lutando sozinhos. 

A lesão do Salvio e o cavalo do Rafa
Por vezes, a nossa "arma de destruição maciça" (expressão com que, carinhosamente, designo o nosso Toto) tem o detonador avariado e os seus lançamentos são tiros desperdiçados. Quando acerta mais vezes, já se sabe, dá-nos golos e assistências em barda. Com a infelicidade da sua lesão, volta a passar o cavalo para ser montado pelo jockey Rafa. (Tem mesmo pinta de jockey, não tem?). Será desta que vamos ver o enorme talento deste jogador a servir a equipa de forma consistente? 'Bora lá, Rafa! É desta!




O árbitro
Há muito que o digo: este filho da puta deste Manuel Oliveira é o ladrão-mor da quadrilha de árbitros ao serviço dos corruptos azuis e broncos. Tem a velha escola das arbitragens habilidosas, com especialização em inclinar o campo contra nós. É mestre na dualidade de critérios, sempre em nosso prejuízo. É vê-lo nas faltinhas a meio-campo, nos amarelos que perdoa, na lei da vantagem que não aplica, na complacência com o anti-jogo, etc. Frequentador habitual do camarote do clube da máfia, este boi do apito nem se dá ao trabalho de disfarçar o seu anti-benfiquismo primário -  até quando marca uma falta a nosso favor é para nos prejudicar, o cabrão!

O Cervi
Para compensar o facto de termos de jogar contra o árbitro, valeu-nos o Cervi, que é como se jogássemos com 12. Ele defende e ataca pela esquerda, ele vem buscar ao meio, ele aparece na direita a tabelar ou a cruzar. Ele corta, finta, passa e assiste. Incansável!


                            Ficha do jogo (aqui)



Gone with the wind
A Amoreira está a revelar-se um pesadelo para os nossos adversários directos. (Não lhes chamo rivais, pois sou de um Clube que nunca encontrou rival neste nosso Portugal!). Uns fogem a meio do jogo com medo das rachas. Oxalá a esperteza bimba lhes saia pela culatra e não consigam virar o resultado na data que escolheram para disputar a segunda parte. Os outros tremem com o vento e deixam fugir três pontos. Veremos o que acontecerá quando chegar a nossa vez. Lá estaremos, sem medo das rachas nem do vento!




6 comentários:

  1. Eu realmente não esperava que o Rui Vitória fosse deixar de fora o João Carvalho após um só jogo como titular, mas acredito que esses miúdos já têm um preparo mental diferente, desde a base, e não se deixam abater por ter de sair da equipa assim após um mau jogo. Estou a falar do Carvalho, mas tem também o Diogo Gonçalves que a qualquer momento pode ser chamado e outros. Agora é dar uma sequência de jogos ao Zivkovic, porque talento ele tem e muito. E olha o Keaton Parks que continua a jogar muito bem na B. Também pode ter chegado a hora do Rafa mostrar todo o seu potencial. Espero que o Salvio recupere rápido porque ele é exatamente o que disseste, uma arma de destruição maciça. Mas aquela velocidade do Rafa, se bem aproveitada...
    E o Cervi? Este há já muitos jogos que mantém sempre o nível. Está um senhor jogador de equipa. E quando começar a marcar golos, aí será um caso sério.
    E como é bom ver o Jardel totalmente recuperado das lesões! Com ele e o Rúben naquela defesa podemos estar totalmente tranquilos. As emoções ficam por conta do Varela, mas enfim, ele também está no seu processo de aprendizagem.
    Carrega Benfica!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Rui Vitória tem de decidir em função do que acha ser melhor para a equipa e se entendeu que agora era o Zivko não pode ter problemas em tirar o João. Quanto ao João, o Diogo ou outro, só têm é que continuar a trabalhar e aproveitarem a próxima oportunidade. Como fez o Varela, por ex., apesar das "emoções" que nos vai provocando. Ou o Guedes, o ano passado.
      Parece-me um bom momento para vermos o melhor Rafa. Vamos ver. O Cervi está bruto, é mesmo jogador à Benfica!

      Eliminar
  2. Sim, é verdade. Nós adeptos vemos os jogos mas não sabemos o que acontece lá dentro, no dia-a-dia, e às vezes se um jogador fica de fora alguns jogos já achamos que o coitado ficará queimado. Aliás, o Zivkovic também passou por isso e agora é o momento dele explodir de vez, comer a relva se possível. E pode ser que dê bom resultado essa entrada dele naquela posição. Faz-me lembrar o que o Ancelotti fez com o Di Maria num momento difícil do Real Madrid, que acabou por salvar a época daquela vez com a vitória na Liga dos Campeões na tal final da Luz. Eu contei-te esta história e até parece que estava a adivinhar um cenário semelhante neste Benfica. O Ancelotti simplesmente recuou o Di Maria para jogar ao lado do Xabi Alonso (Khedira) e do Modric, deixando o ataque para o imexível BBC. E Di Maria foi simplesmente o homem-chave daquele Real Madrid. No caso do Zivkovic, acho até que ele tem mais facilidade para fazer esse papel, porque o Di Maria é mais extremo. Mas tu com a tua leitura tática mais apurada do que eu poderás ajudar-me com esses pensamentos. E no teu texto enalteceste o papel do Pizzi naquela 2ª parte extraordinária do Benfica. Eu diria até que o Pizzi tinha de ser o nosso Modric (Kkkk) que joga sempre bem. O Pizzi não pode falhar! Quando ele joga mal o Benfica não anda.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, lembro-me de teres dado esse exemplo do Real Madrid com o Di Maria a jogar por dentro. O que estamos a fazer agora com o Zivko a interior esquerdo será bastante parecido. Acho que o Zivko se vai adaptar bem a esta nova função. Também já jogou pelo centro, ainda que mais adiantado, nos sub-21 da Sérvia. E tem agora uma oportunidade imperdível de confirmar o seu valor e agarrar a titularidade por vários jogos seguidos.

      Modric? Não precisamos. Já temos o nosso Krovimodric!
      Mas de um Pizzi em grande precisamos muito.

      Eliminar
  3. Krovimodriç é muito boa combinação. Por falar nisso, finalmente ele foi operado. Esperemos que recupere bem para voltar melhor ainda na próxima época. Já o Pizzi, realmente, ele em grande é o que precisamos. E só faltam 14 jogos! Não é pedir muito!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agora faltam 13, mais uma razão!
      É provável que faça uma segunda volta melhor que a primeira. A equipa também está a jogar melhor e se o Zivko atinar, teremos o Pizzi a brilhar!

      Eliminar

Partilha aqui a tua opinião