Páginas

Se todas as batalhas da

"SE TODAS AS BATALHAS DA HUMANIDADE SE TRAVASSEM APENAS NOS CAMPOS DE FUTEBOL, QUÃO BELAS SERIAM AS GUERRAS!" (Augusto Branco)

sábado, 23 de março de 2019

AGORA É QUE SÃO ELAS!




Dani Neuhaus;
Daiane, Sílvia Rebelo, Tayla e Yasmin;
Pauleta, Patrícia e Ana Vitória;
Evy, Geyse e Darlene.

Palpita-me que será este o nosso Onze inicial no teste mais exigente da época de estreia. As meias-finais da Taça de Portugal, a duas mãos, frente ao Sporting de Braga, serão certamente a sua final antecipada. Quem vencer terá todo o favoritismo no Jamor, perante as vencedoras da outra meia-final, entre o Valadares e o Albergaria.

A PROVA DE FOGO
No campeonato nacional da segunda divisão, já na segunda fase, a dúvida para cada jogo é se damos goleadas de um ou de dois dígitos. Na Taça, já eliminámos duas equipas da primeira, o Marítimo, por 5-1 (único golo sofrido até agora em jogos oficiais) e o Ouriense, por 16-0. Por sua vez, o Sporting de Braga já eliminou o de Lisboa na Taça, venceu a Supertaça e segue em primeiro isolado na primeira liga. Perante as guerreiras do Minho, com várias internacionais portuguesas e jogadoras americanas muito fortes fisicamente, teremos então a oportunidade de confirmar o valor da nossa equipa e a sua capacidade de resposta a dificuldades que ainda não lhe foram colocadas.


COMO JOGAMOS
Num 4-3-3 clássico, com muita posse, as laterais subidas e as extremas a virem para dentro. Normalmente, passamos 90% do tempo com dez jogadoras instaladas no meio-campo adversário e recuperamos imediatamente a bola para lançar novos ataques. Com o Braga será diferente.

Pessoalmente, estou muito curioso em ver o comportamento defensivo das nossas jogadoras, sobretudo das centrais, Sílvia Rebelo, Tayla ou Ana Alice. Até agora, só têm sido chamadas a jogo para o início de construção (e construímos bem, desde trás), ou então à área contrária, em lances de bola parada, onde têm contribuído com muitos golos marcados. As laterais, Daiane na direita e Yasmin na esquerda, são especialistas na marcação de bolas paradas, transportam com facilidade e atacam com perigo. Parecem-me atentas e agressivas a defender. Mas amanhã terão mais trabalho, qual será a resposta?

DAIANE - Lateral-direita, especialista em bolas paradas.

No meio-campo, a Pauleta costuma impor a sua lei na recuperação de bola e entregar simples, para as interiores de classe, Patrícia e Ana Vitória, desenharem lindas jogadas de ataque. Nas asas, a dribladora e imprevisível Evy, pela esquerda, e a-potencialmente-melhor-jogadora-do-mundo-no-futuro (leram primeiro aqui), Geyse, pela direita, espalham o terror nas defesas adversárias. A Geyse é um portento, uma craque em construção! Alia força e técnica em níveis estratosféricos, corre, finta, cruza e marca. Tem melhorado nas decisões e ainda vai melhorar. Tem vinte anos, é internacional A do Brasil. 

GEYSE - Potencial para melhor do mundo.

A coordenar o ataque ou a finalizar ela própria, temos a máquina goleadora Darlene. Faz lembrar o Jonas, pela forma como baixa para ligar os ataques ou aparece a finalizar. Leva 95 golos marcados na época e incontáveis assistências. No meio-campo e ataque, podemos ainda contar com a Andreia Faria, a Maiara, a Jassie, a Adri, a Rilany, ou a Carlota Cristo, várias jogadoras que já mostraram muita qualidade.

Resultado de imagem para darlene de souza
DARLENE - A máquina goleadora.

Mas agora é que são elas! Agora é que vamos ver em que ponto nos encontramos na comparação com o topo em Portugal. Lá estarei, para testemunhar e para dar o meu apoio a esta impressionante equipa! O futebol feminino tem uma margem de progressão brutal e o Benfica vai estar na vanguarda quando ele explodir. Eu quero lá estar!



2 comentários:

  1. Excelente análise da nossa equipa feminina. Para ser sincero não tenho acompanhado muito as meninas, talvez pela superioridade absurda em relação às outras da 2ª divisão. Mas amanha acredito que não será fácil. O Braga deve ter uma grande equipa. Das nossas jogadoras, o que me chamou a atenção foi a incrível habilidade da Patrícia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O desnível é grande e por isso ainda não foi possível aferirmos o real valor da equipa. Mas dá gosto ver o que elas conseguem fazer. Com o Braga, e depois com o Sporting no particular, vai dar para vermos o que temos ali. Também gosto muito da Patrícia, grande visão de jogo e grande qualidade de passe!

      Eliminar

Partilha aqui a tua opinião