Páginas


Luisão - Vinte Títulos! (and counting...)

Se todas as batalhas da

"SE TODAS AS BATALHAS DA HUMANIDADE SE TRAVASSEM APENAS NOS CAMPOS DE FUTEBOL, QUÃO BELAS SERIAM AS GUERRAS!" (Augusto Branco)

segunda-feira, 16 de abril de 2018

ISTO AINDA NÃO ACABOU!



Ficámos numa situação muito desconfortável, mas é proibido desistir! Resta-nos vencer os quatro jogos que faltam e torcer por uma derrota ou dois empates do Porto. É difícil, não é impossível. 

O resultado justo, atendendo ao futebol apresentado por ambas as equipas, era o empate. Com uma arbitragem imparcial é muito provável que tivesse sido esse o desfecho. Mas não seria de esperar tal coisa dum Soares Dias num Benfica - Porto.

Notou-se muito a ausência do Jonas no Onze e notou-se muito a ausência do Raúl no banco. Faltou-nos aquela calma e qualidade na organização do ataque que o Pistolas nos dá. E depois faltou-nos o efeito Raúl, vindo do banco, para mudar o jogo na segunda parte. 

A ordem era clara: não facilitar no terço defensivo e não arriscar a sair em construção desde trás. Logo à partida, esta estratégia obrigou a equipa a jogar de forma diferente do seu modelo habitual. Talvez por isso, a bola não chegava "redondinha" ao último terço e, apesar do volume ofensivo produzido na primeira parte, só criámos uma situação de golo iminente (Pizzi, aos 45'). Mas fomos claramente superiores nos primeiros quarenta e cinco minutos.

Na segunda parte senti a equipa perdida entre a vontade de ganhar e o medo de perder. O Rui Vitória deu sinais contrários na forma como mexeu na equipa. A entrada do Salvio fez sentido, mas devia ter saído o Cervi e não o Rafa. As entradas do Samaris (pelo Cervi) e depois do Seferovic (pelo Pizzi) manifestam alguma indefinição. Com o aproximar do fim, o Porto assumiu mais o jogo e foi à procura do único resultado que lhe interessava. Acabou por ser feliz no remate do Herrera, aos 90', após vários ressaltos em que os nossos não conseguiram afastar a bola. Nos dois minutos jogados, dos quatro "dados" como tempo de compensação, ainda podíamos ter chegado ao empate, se tivesse sido assinalado o penalti cometido sobre o Zivkovic. 

Sinceramente, esperava mais da nossa equipa. Mesmo sem Jonas. Não conseguimos impor o nosso jogo durante muito tempo, nem conseguimos controlar o adversário, como se impunha. Agora, só há uma coisa a fazer: ir ganhar ao Estoril! Isto ainda não acabou!

                              Ficha do jogo (aqui)

Benfica Sempre!
Moro no Seixal, perto do nosso Centro de Treinos. De manhã, no meu caminho para o trabalho, costumo cruzar-me com vários dos nossos jogadores no seu caminho para o trabalho. Aí há tempos, achei por bem pendurar um cachecol do Glorioso na janela do meu carro no momento em que saio de casa. Ao longo do trajecto comum, o cachecol permanece pendurado na janela, esvoaçando livremente, como que saudando quem passa. Depois retiro-o. Quando passo pelos nossos jogadores, não grito, não gesticulo, não buzino. Simplesmente, utilizo o cachecol como quem diz: "Bom dia, vizinho. Bom trabalho! Estamos juntos!" E juntos seguimos. Ah, o dia em que me lembrei de iniciar este simples ritual foi a manhã seguinte a termos levado cinco do Basileia.



5 comentários:

  1. Admiro a tua confiança e acho que é assim mesmo que tem de ser. Mas, sinceramente, neste momento preocupa-me bastante a possibilidade de perdermos também o 2º lugar. No futebol de hoje há que aproveitar os bons momentos e a 1ª parte foi muito boa. Mas não soubemos aproveitar essa fase e faltou aquela calma que referiste. Depois, a 2º parte é que realmente descemos a um nível muito mau. Perdemos o meio campo e já nem adiantou a entrada de mais um avançado porque a bola já não chegava lá. Curiosamente, quem estava mais próximo do Herrera naquele remate fatal foi o próprio Seferovic. Coitado, ele entrou e ficou perdido, sem saber o que fazer. E esse Herrera, que eu me lembre, é já a segunda vez que marca na Luz de fora da área. Mas eu gostaria de destacar a nossa dupla de centrais, sobretudo o Rúben Dias. Caramba, o miúdo só tem 20 anos e já joga estes jogos grandes como se fosse um veterano. É incrível!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que não está fácil e as probabilidades jogam contra nós. Mas eles ainda podem escorregar, e nesse caso seria imperdoável não aproveitarmos. Por isso, só temos é que continuar a apoiar a equipa, invadir a Amoreira e sacar os três pontos. É só isso que interessa agora.

      Sim, o Rúben, o Jardel e também o Fejsa merecem um destaque positivo. Acho que o Rúben já nasceu veterano :)

      Eliminar
    2. Então vamos a isso! É acreditar até ao fim. E o próximo jogo não vai ser nada fácil. O Estoril está a precisar desesperadamente de pontos! Talvez fosse de mudar uma peça ou outra para refrescar a equipa. Sei lá, entrar já de caras com dois pontas-de-lança, o Raúl e o Seferovic, enfim, temos de entrar nesse jogo para resolver logo as coisas na 1ª parte.
      Carrega Benfica!

      Eliminar
    3. Tem de ser! Pela minha parte, não lhes faltará apoio. Já tenho o bilhete para a bancada norte, sem medo das rachas! Pode ser que já haja Jonas, faz logo uma enorme diferença. Mas mesmo sem ele, é para ganhar e mais nada!

      Eliminar
  2. Fica tranquilo porque as rachas são só para quem tem pressa de voltar ao norte. Kkkk

    ResponderEliminar

Partilha aqui a tua opinião