Páginas


Luisão - Vinte Títulos! (and counting...)

Se todas as batalhas da

"SE TODAS AS BATALHAS DA HUMANIDADE SE TRAVASSEM APENAS NOS CAMPOS DE FUTEBOL, QUÃO BELAS SERIAM AS GUERRAS!" (Augusto Branco)

sábado, 10 de setembro de 2016

NÃO HAVIA NECESSIDADE




Escusávamos de ter sofrido tanto para arrecadar os três pontos no jogo de ontem com o Arouca.

O Benfica entrou muito bem e nos primeiros trinta minutos fomos avassaladores. Durante a primeira parte assistimos à melhor exibição da época.

Antes do jogo tinha a esperança de vivermos um momento histórico, caso José Gomes fosse escolhido para titular. Era o único "nove" disponível e, apesar da tenra idade, estamos na presença de um fenómeno que respira golos e apresenta índices de concretização esmagadores. Reconheço que seria muito ousado da parte de Rui Vitória e poderia até ser perigoso para a afirmação do jogador se as coisas não corressem bem, mas eu tinha um forte pressentimento que o puto teria uma estreia feliz...

Optou então o mister por lançar Rafa e Guedes na frente de ataque, como avançados móveis, sem que nenhum dos dois tivesse essa missão específica de ser a referência mais avançada. Por várias vezes vimos o Gonçalo a vir buscar jogo e Rafa a desmarcar-se na frente e vice-versa. Resultou muito bem. 

Sem exagero, se tivéssemos concretizado metade das oportunidades flagrantes de que dispusemos, teríamos chegado ao intervalo com o jogo resolvido. Neste período, ocorreu-me que com Gomes em campo pelo menos duas ou três bolas teriam entrado... mas é claro que nada nos garante que conseguiríamos criar as mesmas oportunidades sem um dos outros elementos.

A primeira meia-hora do Benfica foi do melhor que se pode ver em termos de construção de jogo, criação de oportunidades e reacção à perda de bola. O adversário praticamente não troca três passes consecutivos nesta fase. A pecha, já vimos, foi a finalização. Naturalmente, baixámos um pouco o ritmo nos últimos minutos da primeira parte e chegamos ao intervalo com o resultado a saber a pouco.

Voltamos a entrar bem no recomeço. O segundo golo comprova a especialidade de Grimaldo na marcação de bolas paradas e indicia uma veia goleadora em Lisandro, que já leva dois no Campeonato. Há depois aquele lance em que o árbitro (que até fez uma arbitragem globalmente positiva e equilibrada) não vê o penalty sobre Rafa e logo de seguida sofremos o golo que reabre o jogo. Felizmente, a maturidade competitiva da nossa equipa - mesmo com tantos jovens - veio ao de cima e não sofremos mais ocasiões. Apenas a incerteza da margem mínima nos angustiava.

A lesão de Rafa deu lugar a Carrillo que esteve bem a segurar a bola e a lançar os companheiros, ganhou divididas e ainda teve algumas oportunidades de marcar. A entrada de Samaris também foi importante para colar a equipa que entretanto se partira um pouco. 
Já perto do fim, voltamos a ter várias situações para ampliar e o Zé Gomes ficou a milímetros de cumprir o meu palpite, após extraordinária iniciativa do André Horta. E só esteve dois minutos em campo!

Júlio César teve pouco trabalho e nada podia fazer no golo. Tem um lance (66 min.) em que devia ter sido mais decidido a afastar a bola. 
Nelson Semedo, fortíssimo a atacar, acaba por fazer o golo graças às suas movimentações de pendor ofensivo. Defensivamente esteve quase sempre bem, pena que tenha manchado a sua exibição pela fraca oposição que fez ao adversário no golo sofrido. Jardel, implacável a defender. Lisandro, implacável a defender e faz um golo. Grimaldo, cada vez mais competente defensivamente, afirma-se também na marcação de bolas paradas. 

Fejsa, determinante na recuperação da bola e início de construção. Horta, já viram bem a qualidade do passe longo, a forma como coloca a bola a pingar no pé do extremo em fuga? É sublime! Talvez tenha sido o seu jogo mais equilibrado no plano ataque/defesa e dá ideia que está a ganhar pulmão.

Salvio, extraordinária primeira parte, muito influente no caudal ofensivo e faz a assistência no primeiro golo. Pizzi, foi crescendo ao longo do jogo. Bem a organizar e a combinar com o Rafa
Este craquezorro vai dar-nos tantas alegrias!! As acelerações, a recepção orientada, a constante procura do espaço para receber e combinar, o sentido de baliza e a verticalidade do seu jogo são atributos ao nível de um Classe Mundial. Tem na finalização uma oportunidade de melhoria (para ser simpático). Recomendo-lhe treino específico no Simulador 360 S e treino mental com o Mitroglou, que é um tipo cool.
Gonçalo Guedes, na minha opinião o melhor em campo. Constantes movimentações em toda a frente de ataque, boas decisões, boas execuções, faltas ganhas, excelente entendimento com o estreante Rafa e restantes companheiros de ataque, grande compromisso com a equipa e missão de sacrifício na fase final!

Mais três pontos! Com muito brilho.

Terça-feira há mais, lá estarei para ajudar a equipa na estreia europeia de 2016/2017.
Nas últimas cinco edições temos dois Quartos-de-Final da Champions e duas Finais da Liga Europa. Nada mau, mas bora lá subir a média!





Sem comentários:

Enviar um comentário

Partilha aqui a tua opinião