Páginas


Luisão - Vinte Títulos! (and counting...)

Se todas as batalhas da

"SE TODAS AS BATALHAS DA HUMANIDADE SE TRAVASSEM APENAS NOS CAMPOS DE FUTEBOL, QUÃO BELAS SERIAM AS GUERRAS!" (Augusto Branco)

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

PROVA DE FOGO



No próximo Domingo no Dragão disputaremos o nosso primeiro duelo desta época frente a um adversário directo. É uma banalidade dizer isto, mas não deixa de ser verdade: é sempre jogo de tripla.

Há no entanto um dado raro nas últimas décadas. Apresentamo-nos com uma vantagem emocional dada pelo conforto da pontuação que faz com que mesmo o pior resultado nos deixe isolados no primeiro lugar. Isto não deverá servir de pretexto para qualquer tipo de relaxamento nem sequer para irmos jogar para o empate. Estou em crer que tal não se verificará. A mentalidade deste Benfica comandado pelo Senhor Rui Vitória e capitaneado pelo Grande Luisão não o permite.

Um dos dados mais relevantes na antevisão desta partida é a ausência do nosso Monstro, o campeoníssimo Fejsa. Era nesta altura o jogador que mais importava não perder, dada a sua relevância no nosso jogo e a significativa diferença de qualidade para o putativo substituto. O mais provável é que seja Samaris o escolhido para a posição 6 e acho que é o que faz mais sentido. É o jogador disponível com mais quilómetros nesta posição, com mais entrosamento com os centrais, com os laterais e demais companheiros. 

Para além desta alteração forçada, proponho outra: a inclusão do Raúl na frente de ataque em detrimento do Mitroglou. As razões são as mesmas que apontei para o jogo frente ao Dinamo. O mexicano é mais forte na pressão sobre a linha defensiva do adversário e, tal como os ucranianos, os portistas apresentam carências no início de construção. Outra vantagem que poderemos retirar da presença do Raúl será na eventualidade de optarmos por baixar as nossas linhas e explorar o contra-ataque. Teríamos assim em Guedes e Raúl duas flechas prontas a disparar na direcção da baliza de Casillas.

Não digo com isto que vamos lá para "jogar à defesa". Acho que devemos tentar impor o nosso jogo, tanto quanto possível. Mas a grande vantagem do Grego Goleador comparativamente com o Raúl verifica-se na grande área adversária e julgo que passaremos menos tempo do que o habitual nessa zona do terreno. Assim sendo, o meu Onze para o Dragão seria este:



A estratégia de jogo deverá ser bastante semelhante à adoptada no jogo de terça-feira. Isto é, dar prioridade ao controlo do espaço, fechar bem os caminhos para a nossa baliza e correr poucos riscos na construção. Perante o Dinamo fomos pouco menos que perfeitos no aspecto defensivo. No Dragão teremos de manter a qualidade defensiva e estar mais inspirados e "afinados" no aspecto ofensivo.


Já sei que viverei com enorme ansiedade as quarenta e poucas horas que nos separam do Clássico. Sonharei com vários resultados e acordarei sobressaltado sempre que estes não forem positivos. A partir da hora do almoço de Domingo, não mais conseguirei ficar sentado no sofá ou sequer parado de pé. Como eu adoro estes momentos!

Obrigado BENFICA!

5 comentários:

  1. Se a equipa não der hipótese ao habilidoso ASD de equilibrar o jogo, como se fez durante 'quase' todo o desafio, no pretérito passado 5 de Março, traremos os 3 pontos do Estádio onde está desenhado um hipocampo.

    Vitória da gloriosa equipa do VITÓRIA por (0-2) com golos de Cervi aos 42' e de Luisão aos 72' !...se esta completíssima premonição falhar no tempo que acerte com o meu desejo.

    ResponderEliminar
  2. Que seja feita a tua (nossa) vontade e se cumpra a premonição!

    ResponderEliminar
  3. É isso Emília!
    No Dragão, temos de jogar à Campeão
    Com entrega e muita luta
    Venceremos os filhos da...fruta!

    ResponderEliminar

Partilha aqui a tua opinião