Páginas


Luisão - Vinte Títulos! (and counting...)

Se todas as batalhas da

"SE TODAS AS BATALHAS DA HUMANIDADE SE TRAVASSEM APENAS NOS CAMPOS DE FUTEBOL, QUÃO BELAS SERIAM AS GUERRAS!" (Augusto Branco)

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Muito pouco e muito mal(lenco)

























Péssima entrada do Benfica na Liga dos Campeões com o desperdício de três pontos fundamentais. Mesmo que ganhemos na Rússia, já não vamos conseguir fazer os quatro pontos necessários frente  ao CSKA. Torna-se assim obrigatório somarmos seis com os suíços.

Faltou Benfica no jogo de ontem. Faltou-nos velocidade, criatividade, confiança e tranquilidade. Sobrou-nos ansiedade, passividade e muita confusão. Faltou também um árbitro decente. Para além dos dois penaltis perdoados ao CSKA e do penalti mal assinalado ao André Almeida, toda a atitude do árbitro Mallenco denotou uma tremenda má-fé contra o Benfica. Mas o que é que este filho da puta deste espanhol tem contra nós?!

Os russos fizeram a parte deles, nada a dizer. Sempre que perdiam a bola baixavam para junto da sua área num bloco compacto de oito elementos. Arriscaram pouco e petiscaram muito - culpa nossa. Precisávamos de fazer um jogo de paciência, com boa circulação de bola, obrigando o adversário a bascular continuamente. Precisávamos de escolher os momentos certos para fazer os passes de ruptura. Precisávamos de asfixiar os russos recuperando imediatamente a bola e lançando novos ataques. 

Só muito a espaços fizemos o que devíamos. Até criámos algumas ocasiões, o problema foi a falta de consistência e de continuidade do nosso jogo. Tivemos pouco Pizzi e muito pouco Jonas (eu bem que tinha pedido banco para o Pistolas). Sabemos bem como o nosso jogo se ressente quando esta micro-estrutura não funciona em condições. Há que explorar outras soluções, nomeadamente passar o Pizzi para a direita - onde terá mais tempo e mais espaço para construir - e dar mais músculo ao meio campo (com Samaris), ou mais criatividade (com Krovinovic, este não inscrito na UCL).

Voltei a ver coisas que não têm sido habituais nos últimos anos e das quais não tinha saudades nenhumas: os nossos jogadores a reclamarem uns com os outros; "cachos" de quatro ou cinco jogadores no mesmo metro quadrado; avançados a "esquecerem-se" de recuperar a posição, ficando para lá da linha defensiva adversária; iniciativas individuais em desespero e obviamente condenadas ao fracasso...Enfim, não são situações normais numa equipa com esta experiência e qualidade. A saída do plantel de elementos tão importantes não justifica tudo. Os que cá estão são capazes de fazer muito mais do que aquilo que vimos nos últimos três jogos - a prova está nos quatro jogos anteriores.

Mais uma vez, terminámos o jogo em evidente desespero, como se comprova pela composição final da nossa linha recuada com Salvio, Luisão, Almeida e Zivkovic. Não foi bom que a estreia do Gabriel se tivesse verificado num contexto tão desfavorável. A entrada do Rafa aos 89' também não faz qualquer sentido. Há muita matéria para o Rui Vitória reflectir.

Num jogo tão desinspirado e com a equipa tão desligada, torna-se ingrato fazer apreciações individuais. Ainda assim, destaco pela positiva o Varela, o Luisão, o Grimaldo e o Zivkovic. 

Não exijo nem espero que consigamos jogar sempre ao nosso melhor nível. Mas é absolutamente obrigatório que o nível mínimo seja muito mais elevado. Temos matéria-prima e inteligência para fazer muito melhor. 'Bora lá fazer muito melhor!


                               Ficha do jogo (aqui)


Agora, é ganhar no Bessa e mais nada! 


Sem comentários:

Enviar um comentário

Partilha aqui a tua opinião